28 de out de 2015

brincando com jersey

Vou começar apresentando o menino, que se chama Manuel (ou Mané, ou Manezinho), tem 5 anos e ganhou alguns trocados como modelo para essas imagens. Além das toucas e lenços pra proteger o pescoço nesse frio de outono por aqui. Foram 4 estampas diferentes, escolhidas pra minha primeira aventura com o Jersey, aquele tecidinho escorregadio, esticadinho que se usa para roupas e acessórios.
Chegou a minha vez e a necessidade, com o frio batendo na porta, de experimentar o Jersey.
Como todo modelo iniciante, ele ficou muito tímido. Mas foi se soltando.










"Mãããe! Termina logo!" =)

Se eu não pagasse o dinheirinho pra comprar doces, ele jamais teria parado de brincar pra fazer as fotos! ♥

20 de out de 2015

colorido vs cinza

Foi numa manhã cinza que fotografei a mala de desenho que fiz pro meu filho. Pra melhorar seus traços e convidá-lo pro encanto que cada criança tem que é ir pra primeira série. Ele ainda tem 5 anos e vai pro jardim de infância mas tem preguiça de desenhar. O menino é aventureiro e troca uma mesa cheia de lápis e papel pra rabiscar por uma tarde na floresta com os amigos. Ah, a infância no interior. A mala, igual a da menina, que já ganhou 2 concursos de desenho na escola e hoje faz mangás, vem para tentar dar um empurrãozinho numa habilidade mínima necessária para os próximos anos e fazer o menino ter paciência pra sentar e desenhar.




Tento assim, colocar um pouco do meu amor na minha vida, nessas tarefinhas da vida que necessitam nossa atenção, mesmo quando estamos exaustos. Ele adora quando costuro pra ele, visto que a menina já ganhou tantas costurices da mãe que não sei mais nem o que fazer pra ela.
A maleta de desenho também já foi um projetinho que me salvou uma vez quando não sabia como presentear uma menina. 
Foi difícil fotografar nesse dia cinza. Amo a luz natural do sol pra tirar fotos. Foi eu terminar o post e o sol saiu. =)

13 de out de 2015

santa terapia

Eu sumo, mas reapareço. Me flagrei nessas "sumidas", costurando um estojo atrás do outro. Não sei pra quem, mas sei pra quê: pra distrair. Nas últimas semanas, perdi meu querido sogro e precisava ocupar a cabeça com algo que não precisava pensar. Passada a dolorosa despedida, fica a produção.
A menina, já tem estojos de sobra. O menino, vai precisar de um pra escolinha. Quando a professora disse que teríamos que manda um estojo para as atividades da pré-escola, meus olhos de costureirinha brilharam! *---*



Os demais devem provavelmente ficar no estoque, aguardando aniversários de amiguinhas, para serem presenteados.



E assim vou eu, grata a essa santa terapia que é costurar. Que benção pôr as mãos pra trabalhar, a cabeça pra distrair, a habilidade com a máquina de costura melhora e ainda economizo um dindin! ♥